As Esquadrias e a ABNT NBR 15

Uma norma técnica inédita que trata do isolamento acústico e térmico das esquadrias entrará em vigor em meados do ano, acompanhando as exigências da Parte 4 da ABNT NBR 15575 – Norma de Desempenho das Edificações – Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas. O documento está sendo preparado pelo grupo de trabalho de esquadrias da CEE 191 – Comissão de Estudos Especiais de Esquadrias.

De acordo com a engenheira Fabiola Rago, coordenadora da CEE 191, o atendimento à Parte 4 da ABNT NBR 15575, remete para a ABNT NBR 10821 – Esquadrias Externas para Edificações. "Suas Partes 1, 2 e 3 foram revisadas e, agora, será colocada em consulta nacional a Parte 4 que trata de conforto acústico e térmico. A norma prevê a classificação das esquadrias de ‘A’ a ‘D’, no quesito de desempenho acústico", diz ela.

O nível ‘A’ é o que apresenta o melhor isolamento acústico, com Rw acima de 30 dB. Serão classificadas com ‘B’, as esquadrias que assegurarem entre 24 e 30 dB, e com ‘C’, entre 18 e 24 dB. "Já as janelas que obtiverem nível inferior a 18 dB estarão na classe D, classificação que se extingue em dois anos após a entrada em vigor da norma e foi criada para estimular os fabricantes que ainda fazem produtos com esse padrão a se enquadrarem", comenta Fabiola Rago. A classe de desempenho da esquadria obtida nos ensaios (Rw) será informada ao consumidor através de uma etiqueta colada no vidro, que só deve ser removida pelo usuário final. Em breve, serão utilizados programas de simulação para avaliação do conforto térmico das esquadrias, o que também será informado ao consumidor através de etiquetas.

A realização de ensaios pelos fabricantes para avaliação acústica passará a ser compulsória. Paralelamente, projetista e construtora terão que combinar os resultados obtidos nas paredes e nas esquadrias, para simular o resultado que será verificado em campo, que é o solicitado pela Norma de Desempenho.

A engenheira ensina que para atender às solicitações da Norma de Desempenho das Edificações, Parte 4, basta uma esquadria ser bem projetada, produzida e instalada. "E atender aos requisitos da ABNT NBR 10821 quanto às vedações de ar, água e cargas de vento. Mas esta informação deve sempre ser avaliada", diz, esclarecendo: "Para edificações localizadas em regiões de maior ruído externo, esquadrias com mais vedação deverão ser utilizadas. Em situações como essas, haverá aumento do custo da construção com as esquadrias de melhor desempenho acústico. A engenheira sugere que o setor da construção civil diversifique as tipologias, optando por janela de correr com persiana integrada, maxim-ar, abrir e tombar que proporcionam melhor desempenho acústico. "No entanto, quem prefere as janelas de correr, deve especificar produtos que tenham aplicação de maior pressão no fechamento, de maneira a elevar seu isolamento", diz.

Fonte: Afeal